Prefeitura fecha 15 casas de prostituição na zona norte de SP

Folha de São Paulo

11 de agosto de 2017 15h16

Funcionários da prefeitura de São Paulo, sob gestão João Doria (PSDB), emparedaram na última quarta (9) com blocos de concreto cinco casas de prostituição entre as ruas Jovita e Gabriel Piza, em Santana (zona norte).

No total, 15 estabelecimentos estão em situação irregular, sem licença de funcionamento. Segundo a regional Santana-Tucuruvi, todas as outras dez casas que apresentaram problemas de documentação também serão emparedadas.

Os estabelecimentos já haviam sido fechados anteriormente pela prefeitura por irregularidades, porém continuavam funcionando. A ação dos fiscais contou com apoio da PM e GCM (Guarda Civil Metropolitana).

Para a vizinhança, o clima durante a ação era estranho e diferente de outras operações. O analista de cobrança João Marcelo, 45 anos, afirmou que nunca tinha visto tantos guardas metropolitanos. "Nem durante a noite, quando o bairro está a todo vapor", disse.

O comerciante Américo dos Santos Gonçalves, 76, disse que não faz diferença o funcionamento das casas de prostituição ao lado do seu estabelecimento. "Acho que vai quem quer e ninguém está ali porque colocaram uma arma na cabeça."

Comerciantes da região relataram que é frequente a presença de usuários de drogas nas proximidades das casas de prostituição, além de brigas constantes entre seguranças e clientes. Na área, existem escolas privadas, mercados, escritórios, clínicas, restaurantes, além de casas residenciais.

MULTAS

Em nota, a Prefeitura Regional de Santana-Tucuruvi informou que os locais já haviam sido notificados e multados anteriormente e, como não atenderam normas administrativas, foram fechados. "Ocorre que em flagrante desrespeito à interdição, continuavam a funcionar, inclusive afastando os muros de concreto colocados pela prefeitura."